O Cão e a Ovelha ou Sobre Como a Justiça é Apenas Vesga e Não Cega

Esta é, infelizmente, uma história batida. Tão batida que já nem dor sente, de tão repetitivas que são as vergastadas diárias e os abusos, incluindo de linguagem. Podia contar-se em três tempos, mas como temos vagar, fazemo-lo em um pouco mais, que os detalhes e um bom relato, nestas coisas, são de valorizar. Se não apreciar o slow-reading nem miudezas, pode saltar que o comboio ainda mal começou a andar.

Podia igualmente resumir-se a três personagens, o Manel, a Maria … Ler mais

Bochechas de Porco Preto Que Só Comeu Bolotas

O primeiro reparo surge na forma de pergunta: Porquê bochechas? Há assim tanta necessidade de aproveitar todo o centímetro de matéria orgânica do animal? É assim tão imprescindível descarnar-lhe as faces? Só me ocorrem as pungentes criações de Francis Bacon – curiosamente também ele com nome de fumeiro suíno –, com os seus descarnamentos de genialidade talhante. Acontece que essas são para admirar, para embarcar em temas filosóficos sobre a moral, a beleza e a arte e discutir e argumentar … Ler mais

A última vez

Há algo de absurdamente doloroso e intolerável na última vez. Exulta-se tanto a primeira vez, e nada se diz sobre a última. Não aquela última vez que só a posteriori percebemos ter sido a última vez. Como quando recordamos que vimos sicrano nas últimas férias e estávamos longe de saber que nunca mais estaríamos juntos, ou beltrano ainda ontem e mal sabíamos da impossibilidade de novo encontro. Não. Essa última vez não dói na carne porque passa por ser apenas … Ler mais

Pudim Frei de Priscos

Somos castos. Somos, por isso, pela modéstia, franciscanismo e ordens religiosas mendicantes, pelo que despromovemos cabalmente o abade e dedicámo-nos aos freires – até porque adoramos sandálias. Assim, abreviámos os procedimentos, baixámos a ostentação, moderámos o lume e reduzimos os ingredientes, que isto de gastar dúzias de ovos e ingerir terabytes de calorias já teve os seus dias e vai melhor com jesuítas do que donas de casa e gestores de despensa desesperados por fazer cumprir o orçamento mensal. Assim, … Ler mais

A Porca e o Lobo ou Como Evitar os Avanço de um Ex Garganeiro

Etelvina sentia o pico de adrenalina a percorrer-lhe o corpo e o coração a bombear felicidade a cada batimento descompassado. Tudo numa histriónica arritmia. Tudo ao rubro, incluindo as suas faces. Não as via, mas sentia-as. Febris, roborizadas. Felizes. Com o dedo percorria os símbolos da raspadinha. Um enorme pedaço de cartão que bem merecia o nome de raspadona. O dedo, titubeante, temia ter-se enganado nas anteriores cinquenta verificações. Ora, o avião, três vezes, o número mil, três vezes, o … Ler mais

Pepineira

Tanto para falar sobre isto, tão pouca paciência! Se há assunto que me faça logo entrar numa cozinha e ganhar ganas de cozinhar impropérios é uma boa pepineira. Que fartote inspiracional, que vontade de trincar, que apetite maledicente, que maravilha, na verdade! A pepineira. Como descrever este prato tão exótico, quase aberrante? Vamos tentar.

Tentativa 1 – Pepineira é esforçar-se em excesso para mostrar que se é entendido, principalmente quando não se domina o assunto e não se é, de … Ler mais

O (a)caso da aliança

O olhar de Nuno é distraído por um suave reflexo dourado, que inicialmente não ganha interesse ou significado na sua mente. Começa por nem olhar, mas uns segundos depois – como se a sua mente tivesse ocupado esse nano espaço temporal em conjeturas sobre a possível origem daquele ainda insignificante brilho –, Nuno dedica-lhe atenção. Olha o chão de onde vem aquele pequeno raio luminoso. Dirige-se-lhe. Baixa-se e palpa o chão de madeira dourada do qual a coisa brilhante mal … Ler mais

« Older posts

© 2021 Absinto Muito

Theme by Anders NorenTopo ↑