A Porca e o Lobo ou Como Evitar os Avanço de um Ex Garganeiro

Etelvina sentia o pico de adrenalina a percorrer-lhe o corpo e o coração a bombear felicidade a cada batimento descompassado. Tudo numa histriónica arritmia. Tudo ao rubro, incluindo as suas faces. Não as via, mas sentia-as. Febris, roborizadas. Felizes. Com o dedo percorria os símbolos da raspadinha. Um enorme pedaço de cartão que bem merecia o nome de raspadona. O dedo, titubeante, temia ter-se enganado nas anteriores cinquenta verificações. Ora, o avião, três vezes, o número mil, três vezes, o … Ler mais

Pepineira

Tanto para falar sobre isto, tão pouca paciência! Se há assunto que me faça logo entrar numa cozinha e ganhar ganas de cozinhar impropérios é uma boa pepineira. Que fartote inspiracional, que vontade de trincar, que apetite maledicente, que maravilha, na verdade! A pepineira. Como descrever este prato tão exótico, quase aberrante? Vamos tentar.

Tentativa 1 – Pepineira é esforçar-se em excesso para mostrar que se é entendido, principalmente quando não se domina o assunto e não se é, de … Ler mais

O (a)caso da aliança

O olhar de Nuno é distraído por um suave reflexo dourado, que inicialmente não ganha interesse ou significado na sua mente. Começa por nem olhar, mas uns segundos depois – como se a sua mente tivesse ocupado esse nano espaço temporal em conjeturas sobre a possível origem daquele ainda insignificante brilho –, Nuno dedica-lhe atenção. Olha o chão de onde vem aquele pequeno raio luminoso. Dirige-se-lhe. Baixa-se e palpa o chão de madeira dourada do qual a coisa brilhante mal … Ler mais

Papos de Anjo

Temos sempre algum pudor quando se levam religiosidades para a cozinha. Frente ao fogão gostamos de estar à-vontade, de soltar a nossa veia criativa e tudo se emperra e retesa um pouco quando entidades celestiais são evocadas, mais ainda se a cozinha estiver em desalinho, que a nossa não é conventual, nem temos noviças a quem pedir auxílio para ir lavando, limpando e arrumando, como compreenderão. Apesar disso e do nervosismo, daremos o nosso melhor.

Leva água, disso temos a … Ler mais

Apetecia-lhe Matar Alguém!

Apetecia-lhe matar alguém. Não era bem uma vontade, era mais uma necessidade. Seria assim que acontecia com os psico e sociopatas? Também não tinha um alvo específico, ainda que, de imediato, esta vontade se associasse à imagem de um ou outro totó, mas mais fortemente se colava à lembrança de uma centena de estúpidos com quem a sua vida se cruzava amiúde. Não seriam rigorosamente cem, talvez uma mão-cheia. Demasiados, ainda assim, para o seu saudável equilíbrio psíquico e bem-estar … Ler mais

Açorda Alentejana da Estremadura

É impossível confecionar uma açorda alentejana quando não se está no Alentejo. É-nos ainda impossível mentir. Tudo junto, e decidimos agir com a honestidade que nos tem celebrizado dentro e fora do ‘conselho’ (sim, com ‘s’, pois é mesmo uma recomendação, também ela sincera): além de a mentira ter perna curta e termos horror a desproporcionalidades, a mentira também ocupa demasiado espaço e a nossa cozinha, sendo simpática, não é suficientemente grande para acomodar seja o que for que não … Ler mais

A Gralha e os Pavões e Aquela Coisa do Karma

Tinham sido muitos e penosos os anos de sacrifícios. Penosos e longos, que o que é mau custa mais a passar e tende a ser vivido de forma mais intensa. Tinham sido muitos. Demasiados. Na verdade, tantos quantos aqueles que já tinha vivido, consistindo essa sobrevivência no único feito digno de mérito. Eduardo tinha um olhar crítico e cínico sobre a vida, o mundo, as pessoas, alimentado por um misto de inveja e rancor por tudo e todos os que … Ler mais

« Older posts

© 2021 Absinto Muito

Theme by Anders NorenTopo ↑