Se pensa que lhe vamos revelar o segredo por detrás da massa dos profiteroles, que guardamos religiosa e dementemente na família vai para mais de 15 dias, nem pensar. Não vai acontecer. Teriam de matar qualquer um dos meus seiscentos familiares antes de tal acontecer. É sabido que o seiscentos e um, é aquela típica ovelha ronhosa, desbocada e insensível aos tesouros familiares, muito provavelmente, também, ignorante em relação aos segredos culinários do clã. Assim, e porque de outra maneira seria uma matança, essa primeira parte é de muito mais fácil resolução: compre-os pré-congelados ou acabados de fazer numa boa pastelaria ou padaria. Feito? Ótimo! Sobre estas inócuas bolinhas, e para lhes retirar aquele ar sensaborão, de bolo que não chegou a ‘rim’, muito menos a duchesse, espalhe uma dose generosa de chocolate derretido. Este deve levar o seu quinhão de manteiga ou natas, ou ambos, caso contrário, seca, fica duro e não é isso o pretendido. O desejável é que fique com a dentição semelhante à que se obtém depois de comer chocos com tinta e que se possa lambuzar os dedos no prato, após ‘derrubados’ todos os profiteroles. Se os comprar numa grande superfície, ou pequena, pouco importa, nem precisará de se preocupar com o chocolate, que já virá, no interior da embalagem, em pequenas saquetas, muito higiénicas, pronto a ser espalhado sobre os bolos.

Ingredientes:

– Uma embalagem de profiteroles

– Chocolate líquido, ou derretido, ou nada disso ou nem por isso (lembre-se da possibilidade das saquetas dos que já se compram feitos)

Tempo de preparação:

Cá vamos nós para mais uma adivinhação aproximada. Se tiver uma receita pessoal e tiver de os fazer de raiz, umas boas horas. Se os comprar feitos e tiver apenas de fazer o chocolate derretido/líquido? Menos do que isso. Se comprar tudo em um, numa bela caixa de cartão estilo gourmet numa grande superfície, apenas o tempo de os levar para casa e colocar numa travessa ou prato de servir. Ajudou? Ótimo! Ótimo!

Ilustração Andrea Ebert

Partilhar