Mês: Novembro 2017 (pagina 1 de 2)

Creme de Beterraba e Vinho do Porto de Braga ou da Brandoa

A pensar no conforto do estômago e da alma em dias frios de inverno, o Creme de Beterraba e Vinho do Porto de Braga aposta no amplo conforto a todos os níveis. Faça um puré ralo, o chamado creme, de beterraba, uma raiz tuberosa com efeitos detox muito apreciada pelos novos gourmet. Para efeitos estéticos e de engrossamento do caldo, pode adicionar-lhe natas. Junte-lhe ainda vinho do Porto de Braga, para cortar o sabor térreo da beterraba. O vinho … Ler mais

A Raposa e o Lobo ou a Mulher que Guardava uma Cabeleira Ruiva na Gaveta

  1. Recordava-se de, aos 25 anos, ter pensado, com alguma soberba e não menos alívio de que, para chegar aos 50 anos – uma idade ainda com algum proveito –, tinha pela frente outro tanto de vida. Lembra-se de se ter sentido feliz, grata, animada com a longa linha de vida que precedia ainda aquele seu instante. Isto fora os possíveis e previsíveis anos extra além de mais esses 25 anos. Achou precioso esse instante de perceção. Mas foi isso mesmo.
Ler mais

Coisas do Verbo e do Advérbio

Ler mais

Bife ‘Há’ Café

Ui! Outra receita para básicos. Compre bife do animal que mais lhe aprouver. Cozinhe-o à sua maneira e vá comê-lo para um café. Logo, tem bife e há um café.

Quer algo mais elaborado? Pois, então, aqui vai outra: compre bife do animal que mais lhe aprouver. Cozinhe-o à sua maneira, mas acrescentando-lhe café. Mais uma vez, existe um bife e há café.

Outra ainda: Compre bife do animal que mais lhe aprouver. Cozinhe-o à sua maneira e, a meio … Ler mais

Ainda Ninguém Sabia

Ainda ninguém sabia. Não saber é bom. Só assim se dá continuidade à normalidade das coisas. Quando se sabe mais do que o suposto, não se age com normalidade. Age-se em função daquilo que se sabe, quase extemporaneamente, ludibriando ignorâncias, saltando etapas, respondendo fora do contexto comum, visando coisas que a mera banalidade do dia a dia não permitiria almejar, e provocando desfechos em função do conhecimento que se tem, ou apenas tendo em conta coisas mais que se julga … Ler mais

Coisas da Idade e da Doação

Ler mais

Açorda Chiquérrima de Espargos Bravos com Aromas de Quelque Chose

Se não é barra, ou sequer trave, nem mesmo argolas, em línguas estrangeiras – as de vaca não entram nesta receita –, nem ouse aventurar-se nesta intrincada gramática do palato. O menor erro ortográfico ou de concordância ou até um mero deslise de má pronúncia, e a receita gora-se num milésimo de segundo, tal como a atração perante a falta de um dente frontal num qualquer sorriso. C’est la vie mes amis! Feito o reparo e deixado o alerta … Ler mais

O Velho, o Rapaz e o Burro ou A Mulher Que Todos Eles Amou

Não entendia tanto drama em torno de um assunto que apenas a si dizia respeito. Um assunto privado, praticamente íntimo. Porque haveria toda a gente de ter uma opinião sobre o tema? Porque debitavam postas de pescada para cima da sua vida? Logo ela que sempre soubera o seu lugar e esse era dentro das paredes da sua existência e não a espreitar a janela dos outros, menos ainda a dar-lhes palpites sobre decoração ou a criticar-lhes a escolha das … Ler mais

Coisas do Tempo

Ler mais

Queijadas Alentejanas do Alentejo

Numa pequena valise, coloque algumas peças de roupa e prepare-se para ir de fim de semana para o Alentejo. Se já lá está, não deixe de sair de casa e rume para uma outra localidade dentro da mesma província. O ideal seria um simpático turismo rural, ou a casa de uma tia ou amiga dessas poéticas paragens, mas aceitamos qualquer sugestão que lhe sirva. Vai precisar de um horror de coisas – isso mesmo, e não apenas de um … Ler mais

Older posts

© 2017 Absinto Muito

Topo ↑