Categoria: + Contidianos (pagina 2 de 6)

Contidianos: Substantivo muito indefinido (porque definir já é delimitar), do género que mais aprouver (que somos por todos os tipos de liberdade), em número que se quer sempre muito pluralista (na medida em que quantos mais, melhor).  Sobre eles dizem os mais eruditos, e alguns tolos também: “Um Contidiano por dia, não sabe o bem que lhe fazia!”

DeoParfumSpray

Costumava ter olho para a coisa. Saber exatamente ao lado de quem se sentar, com vista a uma viagem tranquila e segura. Sem que alguém ousasse meter conversa. Ou se atrevesse a sorrir, num tolo convite a uma impossível troca de palavras àquela hora da manhã, ou outra hora que fosse. Sem que as pernas começassem a roçar uma na outra. Sem intimidades ou grosserias. Sem incómodos, portanto. Aquele tipo tinha-a enganado. Completa e totalmente. Apenas um ar de asseadinho. … Ler mais

Amor com Amor se (A)Paga

ELE conta que não demorou mais do que cinco segundos a apaixonar-me perdidamente por ela. Nem tanto. Logo que a viu, mesmo antes de os seus olhos se afundarem nos dela, ele já a amava. Uma certeza insana que lhe vinha do fundo da alma, do centro do pensamento, do núcleo profundo das verdades não comprováveis, como se fosse uma evidência matemática. Como se escutasse uma voz muda que simplesmente anunciava, entre o excitado e alívio: “Aqui está a mulher … Ler mais

SmartSex, iDiotLove

Parada no trânsito. Nem para, nem arranca. Apenas parada. Uma fila a perder de vista e o rádio a anunciar um brutal choque em cadeia, devido à má visibilidade. O denso nevoeiro impedia-a de avaliar a real dimensão de tudo aquilo, mas a total imobilidade, há já mais de uma hora, e o trânsito de condutores em deambulação pedonal, como sombras fantasmas, pela autoestrada, sublinhavam e confirmavam a gravidade de tudo aquilo que não lhe era permitido ver. A manhã … Ler mais

Carmologia

Um plano de morte

Não obstante a determinação cega que comandava a sua vontade e cada um dos seus gestos, Pedro estremeceu ao ver aquele homem à sua frente. Tinha decidido matá-lo em plena esquadra, na primeira oportunidade que lho permitisse. Não precisava de armas outras que não a sua sede de vingança. A sua fúria. O seu ódio. As suas mãos de pai ferido. Enquanto a oportunidade não chegava, pôde observar a criatura. Um homem banal na fisionomia, simples … Ler mais

EL-ementa-R, Meu Caro Palerma

Tinham mesmo, mesmo, de se antecipar e ser os primeiríssimos a experimentar o novo restaurante do Príncipe Real, na capital do reino do trendsetting mundial da atualidade. Um chef megaestrelado, uma decoração que já viajava pelos mais conceituados sites de arquitetura e design do planeta, um edifício secular, um restauro de milhares de milhão, uma conceção de interiores completamente inovadora… Tudo em muito grande e majestoso. Não podiam aguardar meia hora que fosse, pois arriscar-se-iam a que tudo aquilo não … Ler mais

Juro-te Que Não Dormi Com Ele!

“Juro-te que não durmo nem dormi com quem quer que seja. Acredita, pois é a verdade.” Não sabia que mais fazer para o sossegar. Para o convencer da verdade. Para que ele, tal como ela, aceitasse o que realmente acontecera. O que era verdadeiramente verdade. Que ela jamais dormira com qualquer outro homem, desde que o conhecera. Desde que estavam juntos. Desde há nove anos, altura em que aquele amor sereno e tranquilo entrara nas suas vidas. Sim, ambos tinham … Ler mais

Não Há Narizes Bonitos

Era o início de um novo ano. O que queria isso realmente dizer? Não é o tempo, afinal, uma linha contínua que apenas a mente humana descontinua a fim de melhor se organizar? A fim de tentar encher e preencher o tempo com mais e mais coisas? Em que é que as 24 horas de dia 31 de dezembro se distinguem das 24 horas de dia 1 de janeiro, ou de quaisquer outras 24 horas? Mesmo para quem gosta de … Ler mais

Rosa dos Ventos

No dia em que Rosa nasceu, desabrochou no jardim lá de casa a primeira rosa desse ano. Não sabe muito bem como, mas o pai reparou naquele botão de cor. Suave, fresca, elegante e sedutora. Reparou nele enquanto olhava para o vazio, rodando já a chave na porta, tentando perceber mentalmente se levava para o hospital tudo aquilo que a mulher lhe havia pedido. Era para ser apenas mais uma consulta, mas o bebé pensou de forma diferente. Apanhada de … Ler mais

Com e Sem Rede – Um Desconcertante Caso de Quase Amor

Ela era um enigma. Tão absoluto e insondável que o enlouquecia. Sobre ela, ele imaginava todo um universo de fantasias e possibilidades. Sobre ela, podia criar e elaborar, inventar, subtrair e sublinhar aquilo que quisesse. Moldá-la ao sabor da sua fantasia, do seu desejo. Ela era um contentor vazio. Um enorme espaço amplo em toda a sua volumetria. Enorme, mas oco de realidades, pelo que podia preenchê-lo, completá-lo, torneá-lo a seu bel-prazer. Ela era a tábua rasa do seu romantismo, … Ler mais

Os Gays Magros e o Nascimento do Trendsetting Salvador

A mensagem era breve e enigmática: “O Salvador nasceu. Sigam a Estrela.” Ainda estremunhado, depois de uma noite+início de dia loucos, numa espécie de after party, naquilo que lhe pareceu uma mega tenda na areia – mas não na praia, faltava o ruído do mar, ou estaria apenas abafado pelo som, aquele eco que os altos decibéis deixam durante horas mesmo depois de a música acabar, que ainda lhe ribombava na cabeça? –, Gaspar não lhe deu a menor … Ler mais

Older posts Posts mais recentes

© 2018 Absinto Muito

Theme by Anders NorenTopo ↑