Categoria: + Contidianos (pagina 2 de 4)

Contidianos: Substantivo muito indefinido (porque definir já é delimitar), do género que mais aprouver (que somos por todos os tipos de liberdade), em número que se quer sempre muito pluralista (na medida em que quantos mais, melhor).  Sobre eles dizem os mais eruditos, e alguns tolos também: “Um Contidiano por dia, não sabe o bem que lhe fazia!”

Petinga e Toio Uindo

Desde que se lembrava de ser gente, o que pode ter tardado, tendo em conta o pouco espaço de armazenamento na sua memória, que Inácio Boaventura Petinga sabia o que queria da vida: lidar touros, ou melhor, toiros, como pelas vastas campinas se dizia. Sonhava entrar numa praça apinhada de gente entusiasta, que gritaria o seu nome e o incentivaria a pegar a besta pelos cornos. No centro da mesma, ele. Ele de peito feito para o destino, olhos nos … Ler mais

Doidices e Mais Um Copo de Sangria

Durante anos, a avó materna não passou de uma personagem distante, uma entidade abstrata, descrita por todos como uma mulher lunática, ou mesmo insana, enlouquecida. Distanciada da realidade. Uma tola, sem grande préstimo ou valor. Era tida por todos aqueles que a conheciam e mesmo apenas por aqueles que apenas dela ouviam falar, como a tontinha da família. A inútil. A imprestável. Sempre muito aquém do que era socialmente exigido, sempre muito para lá do previsível. Um ser à parte. … Ler mais

Inventei-nos Uma História de Loucura

Tinha o vício confesso de olhar cada estranho como personagem de um qualquer enredo literário ou cinematográfico e tentar adivinhar-lhe uma profissão, as suas intenções, possíveis gostos, uma complexa e refinada teia de afetos, um código moral e até fragmentos de uma vida. Foi, portanto, com normalidade detectivesca que se atirou com ânimo e determinante empenho ao guião de um tipo que acabava de entrar no café. Era um espécime maravilhoso. Não era particularmente bonito, ao nível do que é … Ler mais

A Felicidade Para Totós

O que são totós?

Não. Esta não é uma recensão para pessoas que usam ou abusam de totós e, por totós, entenda-se aqui aquele penteado em que, dividindo ou apenas repartindo o cabelo em duas ou mais madeixas, estas são, depois, presas por elásticos que ficam junto ao couro cabeludo, pendendo as farripas de cabelo dos lados da cabeça ou noutras secções do crânio, à laia de rabos-de-cavalo noutros locais da cabeça, que não a parte de trás, na nuca. … Ler mais

Álcool & Co.

Sentia um frémito no corpo. Um bem-estar que estava próximo da felicidade. Exultava boas vibrações. Uma espécie de formigueiro de prazer, apenas porque se sentia vivo, porque estava terminado mais um dia de trabalho e regressaria a casa para junto da mulher e dos miúdos. O sorriso deles era o seu bem mais precioso. Estava mesmo a pensar em cometer uma loucura e comprar flores para a mulher e uns bolos para os miúdos. Eram o centro da sua vida. … Ler mais

Cocktail Abade de Priscos ou os Maias Para Leitores Pouco Exigentes

Capítulo I – Carlos da Maia

Apostado em diversificar o seu negócio, e também porque era pessoa do seu tempo, inquieto e criativo, Litos da Maia – Litos, de Carlitos e da Maia porque foi lá que nasceu e foi criado – fixava os olhos esbugalhados numas letras mal escritas no ripado que servia de estrado ao beliche superior, debaixo do qual dormia há já oito anos. Lembrava-se bem, entre a mágoa e a raiva, do primeiro dia que fixara … Ler mais

Béjinhos Para Todos

Que tonta que eu fui! Tão tonta! Na minha descontraída ignorância, acreditei piamente que Deus já tinha dado por terminados os Seus arrumos. Aqueles que varreram com vigores de fúria tantos recantos e armários de 2016. Que a casa estava finalmente em ordem. O pó limpo. O chão varrido e aspirado. Os cacos no lixo. O louceiro reorganizado. Todas as janelas lavadas. As madeiras tratadas. Que, na Sua majestosa forma de ver o mundo, tudo estava, por fim, em ordem. … Ler mais

Private ‘I’?

A agência estava calma. Tão calma que José Boga conseguia distinguir aquela espécie de ruído que o pó faz ao cair, suavemente, sobre a superfície de madeira dos móveis, conduzido, quase parecia, pelos raios de sol que se filtravam pelos estores entreabertos. Tanto a secretária, sobre a qual esticava as pernas ao bom velho estilo de Marlowe, como a cadeira rotativa e a estante onde arquivava, em dossiers, toda a papelada, eram de madeira de castanho, sólidos e sofisticados, … Ler mais

Deus é Um Maker

Tinha apenas uns dez minutos, para entregar o formulário de acesso a um financiamento a fundo perdido que, estava certo, mudaria a sua vida. Algo lhe dizia que, de alguma forma, conseguiria chegar a tempo, já que tudo o que se relacionava com o assunto lhe parecia chegar à última da hora. O próprio anúncio, tinha-o descoberto, quase por acaso, nesse mesmo dia, o último para a inscrição. Uma primeira fase, uma espécie de pré-seleção dos candidatos mais aptos e … Ler mais

O Homem Invisível

Demorou a perceber. Demorou, primeiro, a aperceber-se. A dar conta do fenómeno. A tomar consciência do facto, pois disso se tratava, de um facto. Durante imenso tempo, esteve cego. Não via. Não viu. Não deu conta. Tudo era um pouco novo e de tal forma bizarro que simplesmente não lhe ocorreu. Quem poderia imaginar tal coisa?! Demorou, depois, outro tanto, senão mesmo mais tempo a perceber. A compreender que era mesmo verdade. A conseguir dizê-lo para si próprio e até, … Ler mais

Older posts Posts mais recentes

© 2017 Absinto Muito

Topo ↑