Categoria: Histórias Infantis para Adultos (Page 3 of 9)

Vamos colocar em pratos limpos alguns dos maiores enganos do universo infantil, lançando um foco de pós-modernidade e neurose sobre contos infantis que, com horrores de bisturi e ausência de anestesia, moldaram o espírito feminino durante milénios, deixando claro na mente ‘estrogénica’ as benesses do sacrifício, a alegria da dor, a felicidade da humilhação. Vamos repor a verdade dos factos, porque de parvas as miúdas têm apenas isto: NADA.

Quem Se Quer Casar Com o Estrupício?

Comecemos pelo início, que é sempre, senão a melhor, pelo menos a mais acertada forma de o fazer, principalmente quando não se tem muito jeito para algum ofício, o que pode bem ser o nosso caso. Assim, o verbo casar-se apresenta o ‘se’ inerente sempre que se pretende dizer que alguém SE (cá está ele) quer casar com outro alguém, independentemente do sexo, que é bem sabido que os novos modelos de família são inclusivos e bastante desempoeirados, admitindo várias … Ler mais

A Princesa e o Sapo – O Conto para Batráquios

Esta é a história real – uma vez que inclui títulos reais, verdadeiros, segundo garantem escritos antigos sobre o tema – de uma princesa e da forma extraordinária como quase conheceu o seu homem encantado, também ele príncipe, ou conde, para dar mais credibilidade a tudo isto, que as palavras no papel ganham um poder mais assertivo do que o mero blá, blá, blá da oralidade. Além disso, a realidade é sempre mais incompreensível e bizarra do que a ficção, … Ler mais

O Cavaleiro da Dinamarca ou antes, o Ginete da Noruega

Depois do muito celebrado Cavaleiro da Dinamarca, o seu primo norueguês, também ele garboso cavaleiro de andanças por este mundo fora, que outro mundo ainda está por descobrir, relata, aqui e em exclusivo, a sua história. Prontos? Ora, então, aqui vamos nós a trote rumo a esse magnífico, surpreendente e relaxante relato de aventuras mil deste bravo ginete.
Ginete, já agora, é um substantivo masculino antepassado do bem mais comum cavaleiro, mas como tudo isto aconteceu antanho, a opção foi … Ler mais

O Tesouro do Ceguinho (Spoiler Alert): É Não Ver

É verdade. Já não se diz cego, pior ainda ceguinho, que é mesmo o cúmulo de todos os pináculos, porque não é inclusivo. Agora, o correto é falar em invisual, perdão, isso também foi aqui há atrasado, o correto é pessoa com deficiência visual. Acontece que entendemos que há vários tipos de insuficiência ou deficiência visual, sendo a mais grave, não a total cegueira, mas as vistas curtas, já que estas encurtam tudo o resto na vida, enquanto a cegueira … Ler mais

A Noiva do Príncipe Sério

Ela era a noiva e ele era sério. A história, a bem da verdade, quase poderia ficar por aqui, mas não somos de dececionar. Parece que também era príncipe, mas isso pode ser um exagero, romantização exacerbada, resultante da paixão que ela nutria por ele. Sim, da paixão. O amor é bem mais racional e avisado, como ela percebeu mais adiante. Aqui, reportar-nos-emos apenas a dados suscetíveis de prova, pelo que a protagonista será apenas Noiva e ele será apenas … Ler mais

As Três Mentiras da Avozinha Ou Como os Velhos São Apenas Jovens Com Mais Anos

Não se tinha conseguido esquivar. Há mais de dez anos, desde que a avó tinha ficado viúva, mas muito alegre, diga-se em abono de certa verdade, que todas as quintas-feiras almoçava com ela e esta semana não seria exceção. O único problema é que Javier, o amigo madrileno, só estaria em Lisboa nesse mesmo dia e queriam muito rever-se.

– Qual o problema de almoçarmos os três?, tinha sido a resposta-sugestão, tanto de Javier como da avó. De facto, perante … Ler mais

Peter Pan e o Cogumelo do Tempo(ral)

Peter Pan – Pedro Pancrácio segundo o registo civil – era um nanico de gente. Estava ali entre o seminanismo e o infantiloide, mas nada que lhe retirasse a grandeza de sonhar alto. Tão alto que, jurava ele, voava acima dos outros. Não era assim tão leve quanto isso, e ainda que muitos dele tivessem pena, devido aos seus extraordinários devaneios, não era pena suficiente para lhe dar sustento nas asas. Digamos, a bem da verdade, que não era tolo. … Ler mais

O Quebra-Nozes – A Tão Aguardada Versão Sem Ratazanas

Quebra-Nozes era um tipo intrépido e temerário. Era como se a inconsciência da infância e a ousadia da juventude jamais o tivessem abandonado, ou sequer moldado para traços de caráter mais consentâneos com os seus 30 anos. Qualquer coisa que se aproximasse de responsabilidade ou que ficasse geograficamente mais perto de bom-senso, ou apenas algo que lhe concedesse uns meros segundos para pensar antes de agir, ou abrir a boca, por onde vomitava todo o tipo de verdades e estas, … Ler mais

Em Direto da Manjedoura

Em reportagem, diretamente da Manjedoura mais in do planeta, que ainda hoje dita trendsettings e determina apontamentos de design natalício, aqui fica o relato dos eventos mais significativos do Natal de 2018.

José está mal-humorado, digerindo ainda com dificuldade o facto de não ser o pai biológico da criança, não obstante os mais de 2000 anos que teve para ‘desmoer’ o assunto e o facto de isso não suscitar problemas biológicos aos crentes. Dizem que o tempo tudo cura, parece … Ler mais

A Rainha de Coração de Pedra ou Uma Personalidade Autofágica

Esta é a história, abreviada e fantasiada, de Itália. Não do país, está bom de ver, que isso daria uma inglória trabalheira, com tanta Lombardia que nos daria Toscana pela Umbria, ou pela barba, e isto sem entrar na Sicília, de onde poderíamos não voltar vivos. Salvar-nos-ia a bela e elegante Sardenha, mas mesmo assim, não foi por aí. Itália, assim batizada mais por pirraça da mãe – apostada em chocar a sogra – do que por um qualquer insano … Ler mais

« Older posts Newer posts »

© 2020 Absinto Muito

Theme by Anders NorenTopo ↑