Categoria: Risota de Gambas (Page 1 of 21)

O que é o ‘comer’? É um verbo, mas estas não são receitas para ‘chefs’ da gramática. São dicas hilárias para todos aqueles que não sabem o que é quinoa, desconhecem por completo as sementes de chia e nunca viram bagas de goji na vida. Já agora, não tente nada disto em casa, ou em qualquer outro lugar!

Bochechas de Porco Preto Que Só Comeu Bolotas

O primeiro reparo surge na forma de pergunta: Porquê bochechas? Há assim tanta necessidade de aproveitar todo o centímetro de matéria orgânica do animal? É assim tão imprescindível descarnar-lhe as faces? Só me ocorrem as pungentes criações de Francis Bacon – curiosamente também ele com nome de fumeiro suíno –, com os seus descarnamentos de genialidade talhante. Acontece que essas são para admirar, para embarcar em temas filosóficos sobre a moral, a beleza e a arte e discutir e argumentar … Ler mais

Pudim Frei de Priscos

Somos castos. Somos, por isso, pela modéstia, franciscanismo e ordens religiosas mendicantes, pelo que despromovemos cabalmente o abade e dedicámo-nos aos freires – até porque adoramos sandálias. Assim, abreviámos os procedimentos, baixámos a ostentação, moderámos o lume e reduzimos os ingredientes, que isto de gastar dúzias de ovos e ingerir terabytes de calorias já teve os seus dias e vai melhor com jesuítas do que donas de casa e gestores de despensa desesperados por fazer cumprir o orçamento mensal. Assim, … Ler mais

Pepineira

Tanto para falar sobre isto, tão pouca paciência! Se há assunto que me faça logo entrar numa cozinha e ganhar ganas de cozinhar impropérios é uma boa pepineira. Que fartote inspiracional, que vontade de trincar, que apetite maledicente, que maravilha, na verdade! A pepineira. Como descrever este prato tão exótico, quase aberrante? Vamos tentar.

Tentativa 1 – Pepineira é esforçar-se em excesso para mostrar que se é entendido, principalmente quando não se domina o assunto e não se é, de … Ler mais

Papos de Anjo

Temos sempre algum pudor quando se levam religiosidades para a cozinha. Frente ao fogão gostamos de estar à-vontade, de soltar a nossa veia criativa e tudo se emperra e retesa um pouco quando entidades celestiais são evocadas, mais ainda se a cozinha estiver em desalinho, que a nossa não é conventual, nem temos noviças a quem pedir auxílio para ir lavando, limpando e arrumando, como compreenderão. Apesar disso e do nervosismo, daremos o nosso melhor.

Leva água, disso temos a … Ler mais

Açorda Alentejana da Estremadura

É impossível confecionar uma açorda alentejana quando não se está no Alentejo. É-nos ainda impossível mentir. Tudo junto, e decidimos agir com a honestidade que nos tem celebrizado dentro e fora do ‘conselho’ (sim, com ‘s’, pois é mesmo uma recomendação, também ela sincera): além de a mentira ter perna curta e termos horror a desproporcionalidades, a mentira também ocupa demasiado espaço e a nossa cozinha, sendo simpática, não é suficientemente grande para acomodar seja o que for que não … Ler mais

Strudel de Caracoletas e Gengibre… Hummm!

Não estava à espera, pois não? Nós também não. Mas como passar ao lado deste título sem nele nos retermos? Como conseguir não experimentar tal gourmelandia? Como não correr para a cozinha e pôr em prática tão macabro plano? Como não salivar de estupidificante expectativa quando nos deparamos, numa só frase e quase sem intervalos de permeio, com estas três iguarias? Em que lâmpada se escondeu o génio que deu à culinária a possibilidade de reunir a delicada e estaladiça … Ler mais

Arroz de Polvo Sacanita

Se é para ser malandrinho, que seja logo sacana, que as coisas pela metade ou agarradas a diminutivos são enervantes e não nos levam longe. Isto, claro, se o objetivo é ir mais longe. Pode preferir ficar por perto, ou ir longe, mas devagar. Cada cabeça é um mundo, mais ainda a de polvo.

O arroz sacana distingue-se dos restantes por ser mais difícil de lidar com ele. Requer água que baste para cozer e outra porção para nela ficar … Ler mais

Rissóis de Coisas Boas e Médio Boas

Ainda está por inventar um prato mais democrático do que o bom do rissol. De peixe, de camarão, de carne, de legumes, com coisas frescas, com sobras de ontem ou de amanhã, com ingredientes quase em fim de linha, mas que no meio do barulho da frigideira ainda apuram inesperados sabores, quaisquer rissóis se entregam de alma e coração, como nenhum outro prato, tanto a coisas muito boas, como a coisas menos boas… É o upcycling aplicado, e bem, à … Ler mais

Ameijoas à Bulhão no Prato

Bulhão, para quem não sabe, é um indivíduo que anda à bulha ou é propenso a tal sempre que se lhe apresenta a oportunidade, ou sempre que a procura. Bulhões são indivíduos temperamentais, com o dito pelo na venta, hoje, muito contemporaneamente, designados de bullies. Têm o seu quê de violentos e são meio disfuncionais, na medida em que não são dotados das devidas competências sociais, aquelas que nos permitem não matar pessoas numa frequência diária. Ora – e … Ler mais

Carne Vegan-friendly

Eleja um bom naco de carne vegan-friendly – aquele tipo de carne que jamais fez mal a um vegan, ou a quem quer que seja, pois que é do tipo bom, bom, amiga do vegan e do seu amigo e ainda é pacifista – e tempere. Alhos, louro, alecrim e azevinho, que o Natal não tarda está aí, cominhos, gengibre, caril, limão, pimentão doce que não esteja azedo, noz-moscada e até uma pitada de canela são possibilidades cumulativas, que tudo … Ler mais

« Older posts

© 2021 Absinto Muito

Theme by Anders NorenTopo ↑