Page 2 of 49

Incapaz de Matar?

Como sempre, o jantar alongava-se na exata proporção do interesse da conversa e do álcool consumido, sendo este último, a bem da verdade, bastante inferior à intensidade da conversa e à duração da refeição. Convém atentar neste detalhe, para que, mais à frente, não se salte precipitadamente para conclusões abusivas e falsas. Digamos que, no restaurante, em breve seríamos os últimos, que o entusiasmo da conversa já incluía o dono do restaurante e o chefe de mesa, e que o … Ler mais

Coisas da Devoção Capilar

Ler mais

Cheesecake de Hortelã

Agora, sim, avançámos para o inédito e estupidamente surpreendente universo dos improváveis. Habituados a ver a nobre hortelã a ser usada e abusava como mero enfeite no topo de bolos e restantes sobremesas, resolvemos voltar a dar-lhe o lugar que merece e que lhe é devido nos pratos principais e nos cocktails: o de prima ballerina. Destronámos o eterno morango e os omnipresentes frutos do bosque do cheesecake e refastelámo-nos com quantidades massivas de hortelã. Quase estivemos para retirar … Ler mais

A Raposa e a Cegonha e o Valor de Uma Boa Dieta Líquida

A viver no campo, numa zona isolada e deserta, foi com um misto de curiosidade e animosidade que Raposa viu chegar uma nova moradora àquelas paragens alérgicas a urbanidades. Tinha sido a primeira a eleger aquela área de gigantesco nada, apenas campo, vinhedos e alguns montados, para propositadamente se isolar do mundo, em particular dos humanos, gente sempre muito intratável e irritante, pelo que não via com bons olhos a vinda de vizinhança, e ainda que também a recém-chegada procurasse … Ler mais

Coisas de Levar a Peito

Ler mais

Empadão de Salsichas* do Ártico e Contraditório

Faça aquele puré de batata cremoso e sem grumos de que tanto gosta e que sabe fazer como ninguém, que para isso não é preciso receita. Vá ao Ártico, num fim de tarde em que tenha tudo controlado aí no trabalho, e aproveite para trazer de lá salsichas*. As enlatadas prestam-se bem a esta receita, mas como o ideal é que sejam frescas… Caso não tenha enlatadas, nem mesmo de marca branca ou de outro tom, pois se as temperar … Ler mais

Porque Eles Não Entenderam

Ela acreditava em Deus. Assim, sem mais. Seria, eventualmente, a sua crença mais metafísica ou espiritual, para não dizer mesmo a única. Tudo o resto em que acreditava tinha de ser palpável, sensitivo, ter uma existência real ou solidamente provada. Seria, de alguma forma, observável e passível de formulação científica. Podia decorrer de uma mente lógica e absolutamente racional ou seria apenas típico de uma pessoa básica, que tudo resume ao ver para crer, sem espaço a pensamento crítico, a … Ler mais

Coisas da Idiotice

Ler mais

Semifrio Mandarim

Não se apoquente já com a questão linguística, pois dizem que o semifrio, antes de arrefecer demasiado é como o cimento ou a massa cinzenta das crianças: absorve tudo com enorme facilidade. Umas horas de cinema chinês (existe, não existe? Deve existir), ou uma manhã na Mega China (de onde pode aproveitar para trazer um lindo serviço de pratos com andorinhas cor-de-rosa para servir esta maravilhosa sobremesa) e já salvou a parte do Mandarim. Bem mais complexo é obter o … Ler mais

O Lobo Ferido e a Ovelha Numa História Absurda

Nitidamente fragilizado e febril, ele tremia. Tremia de frio. Daquele horrível frio que poupa a pele, mas não os ossos. Daquele gelo que cristaliza a alma e faz crescer estalactites no coração, afiadas como gumes de foice em ceara seca, ceifando a seiva da vida. Derrotado. Ele sentia-se derrotado. Parco de forças. Isento de energia. Por isso ali estava. Na cama. Encolhido em posição fetal. Mantendo reservas mínimas de alento. Níveis que apenas permitiam pensar. Não muito, nem muito bem. … Ler mais

« Older posts Newer posts »

© 2019 Absinto Muito

Theme by Anders NorenTopo ↑